terça-feira, 22 de junho de 2010

A manhã posterior, ou A angústia de Silvana

Era incrível como o cheiro dele insisitia em sua blusa.
Um abraço. Só isso. Os dois compartilharam não mais que um momento de calor humano. Nada mais. O que era aquilo? Amor? Admiração? Curiosidade? Que homem estranho e intrigante era aquele, que por uma noite esteve em sua cama, sem sequer ter tido com ela um momento de fervor? Vira seus olhos tristes, sua boca pequena, não obstante em nenhum momento fechara aqueles olhos, em nenhum momento beijara aquela boca.
Uma noite e uma madrugada em claro foi o que compartilharam. Conversas sobre o nada, ou sobre o tudo, ou sobre tudo ou nada. Pareciam discutir os segredos do Universo com palavras simples, ou mesmo desvendar os mistérios da alma em uma frase. Vez por outra, externizavam mágoas. Ele cerrava deliciosamente os olhos. Vira-o dormir, e, por uns instantes, observara-o em seus misteriosos sonhos, antes de adormecer ela própria.
Fora acordada por sua voz se despedindo, e por sua boca dando-lhe um beijo carinhoso no rosto. Em seguida, adormecera novamente. Quando acordara definitivamente, ouvindo a algazarra da metrópole ensandescida, horas mais tarde, dera falta dele. Aquelas doces palavras, aquele delicado beijo não haviam sido um sonho. Houvera sido a triste realidade que ele se fora. Sentiu um vazio gélido no peito. Como? Como era possível, em uma noite, sem ao menos ter de fato se entregado, ser tão pertencente àquele homem? O que fizera ele? Por que já era tão difícil a idéia de dormir sem seu calor?
Levantou da cama, pesada e tristemente. Arrependia-se de não ter dado ao fidalgo que a abandonara ao menos uma parcela de seu amor. Aquilo já pesava sobre ela como um fardo velho e gasto. Caminhara sobre o quarto, sentindo a presença inquietante dele, procurando em cada vão um vestígio de sua sombra. Não encontrava. Sentou-se na cama, inconformada como criança. Viu no chão, próximo ao pé da cama, sua blusa verde. Tomou-a em mãos e a abraçou como se abraçasse aquele homem. Numa surpresa, sentira o aroma de seu perfume. Olhou em direção a porta.
Ninguém. O cheiro não vinha dali.
Era incrível como o cheiro dele insistia em sua blusa.

2 comentários:

Helena disse...

adoro essa essa coisa de começar com uma frase e terminar com ela mesma... dá uma magia, hehe.

belo post! *-*

Kristine Drummond disse...

Diego,

Estou gostando bastante do que estou lendo aqui pelo Crônicas do Lobo da Estepe - isto se deve principalmente ao fato de ter ocorrido um avanço na sua escrita, viu?

Beijos,
Kristine.