quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O sonho, ou Devaneio Saramaguiano

Tal sonho ocorreu-me ainda na noite passada, depois de uma leitura profunda e prazerosa de um desses livros do autor português que ganhou já até Prêmio Nobel (admito sem pudor que, graças a isto, descaradamente copiei uma parcela do estilo dele). Certas memórias deste sonho me escapam por entre os dedos, mas não creio que estas sejam de muita importância, uma vez que as partes relevantes não se me fugiram da mente.
Lembro-me, primeiro, de estarmos em uma linda loja de roupas e tecidos, dentro de algo que me pareceu ser um antigo casarão açoriano, com janelas altas e pouco largas que davam vista a uma paisagem que me lembrou Gramado. Era final de tarde. Sabia-me em companhia de Seth, meu amigo de infância, e de Madalena, minha amante, e mais outra pessoa que só me lembro ser uma mulher. Conversávamos animadamente, fazendo piadas e sentindo em nós o calor da juventude. Junto a minha amante, observava os tecidos mais finos, quando se achegou Seth, gracejando-a. Senti neles algo que era mais do que afeição pela amizade em comum, uma espécie de ligação que ia além do interesses. Afastei-me, enquanto eles diziam algo que não ouvi.
Como que por mágica, transportei-me para um lugar de meias-luzes. Não sei era umbral ou zona morta, mas parecia-me uma das avenidas de uma cidade qualquer, onde riscos de luzes multicoloridas, multivelozes, passavam por mim. Certamente, eram carros. O sol já se havia ido. Vagueei por calçadas imaginárias que me fugiam aos pés, transfigurando meu andar em um balé ébrio e incerto, enquanto a noite corria rápida. Minha garganta clamava por eflúvios etílicos, meu ser queria se embriagar, não mais ensaiar o passo do bêbado. Vi-me empunhando um aparelho misterioso, e através dele enviei carta-mensagem para meu velho amigo de infância, que, a esta altura, poderia estar fazendo qualquer coisa com minha amante.
Mais uma vez me desapareci de um cenário para me encontrar em outro. Tive a certeza de estar de volta ao casarão açoriano, mas já não era loja, senão residência. Um telefone tocava (ou alguém que parecia ser a mãe de Seth havia me avisado que me esperava uma ligação, já não sei). Atendi. Falei algo como: “Sou gente do mundo!”. E do lado de lá, a réplica: “Se és gente do mundo, és gente perdida. És despergente!”. Desliguei. De fato, era eu gente perdida, perdido de mim e de meus próprios atos escravo. Lembrei-me de Seth com minha amada Madalena. Sempre que meu amigo deixava uma mulher, valia-me eu desta mesma mulher, afagando-lhe e trepando-lhe feito animal. Era eu um desses homens que anseiam a mulher do amigo. Mas admito sempre ter sentido certa culpa por isto, não suficiente para me impedir de cometer o ato, mas o suficiente para me dar um leve remorso, uma vez que percebia que ele sentia certo ciúme, talvez produto de um resquício de sentimento pela moça em questão. Sob estas circunstâncias, não me sentia mal em imaginar o que Seth poderia estar fazendo com minha mulher, uma vez que, no meu íntimo, pedia a ele que se vingasse de mim, que me tomasse a mulher como várias vezes lhe tomei, e que me esfregasse na cara o fato. Quase que me comprazia com a idéia! Ouvi uma voz que me dizia que havia muito meus amigos perguntaram de mim, preocupados por eu de repente ter me separado do grupo e por causa da carta-mensagem que enviei a Seth.
Desci um lance de escadas que dava acesso a uma espécie de quintal. Muitas árvores, predominantemente pinheiros, cercavam a dita casa açoriana, que agora já ganhava outro aspecto, mais de construção incompleta. Já era quase de manhã, os primeiros sinais de sol apareciam no horizonte. Senti a presença de meu amigo. Corri para me esconder, não por vergonha ou qualquer motivo malfazejo, mas por pura diversão. Vi seu rosto a procurar e procurar, mas sempre despistava o pobre, sem ao menos ter o cuidado de pisar leve, uma vez que, por mistério, meus pés não tocavam o chão. Num dado momento, fiquei deitado atrás de uma escadaria em ruína, que parecia estar ali há milhares de anos. Mais uma vez, Seth não me encontrava. Ouvi sua voz dizer: “Ele conseguiu! Despistou-me!”.
De repente, estávamos na mesma cama, como que brigando de mentira, conversando assuntos que não lembro. Lembro-me apenas ter dito algo como: “Não importa teu esforço, homem, sempre te despistarei!”. Até que ele me disse: “És o demônio.”.
Então acordei.

2 comentários:

Ozyrys disse...

muito doido...

Helena disse...

agora fiquei com vontade de conhecer essa casa açoriana...

nossa, muito doido [2] mesmo.